Fonoaudiologia na recuperação de pacientes em hospitais

07.04.2015_BL02

O Fonoaudiólogo tem um papel fundamental na diminuição ou impedimento de sequelas na comunicação na qual algumas patologias como o AVC (Acidente Vascular Cerebral), Parkinson, TCE (Traumatismo Craniano Encefálico) dentre outras podem causar ao paciente.

É um profissional de visão única para o mecanismo funcional envolvendo a fono-articulação, linguagem e funções neurovegetativas. Com o paciente ainda internado, o Fonoaudiólogo atua de forma precoce na unidade hospitalar, de forma preventiva, intensiva, pré e pós-cirúrgica, auxiliando a equipe multiprofissional.

A Fonoaudiologia Hospitalar auxilia o tratamento na fase aguda, principalmente de pacientes disfágicos, que são aqueles que apresentam dificuldades na deglutição.

Os principais objetivos da Fonoaudiologia Hospitalar são:

  • Prover a Unidade de Saúde Hospitalar de profissional habilitado para intervenção nos distúrbios da comunicação;
  • Reequilibrar alterações miofuncionais, evitando possíveis danos nos processos fonatórios e cognitivos;
  • Atuar precocemente e preventivamente através da triagem, avaliação, orientação e tratamento;
  • Conduzir através de avaliações específicas conforme os sintomas;
  • Participar de equipe multiprofissional efetivamente traçado e atuando em condutas terapêuticas que levem ao bom prognóstico;
  • Diagnosticar sintomas de distúrbios Fonoaudiológica precocemente;
  • Evitar e/ou minimizar sequelas nos processos de comunicação em patologias-base, ainda em evolução;
  • Retornar à alimentação por via oral, restabelecendo funções vitais de sucção, mastigação, deglutição e fala, diminuindo o tempo de hospitalização evitando internações por infecções respiratórias;
  • Abordar terapeuticamente as diferentes patologias encontradas na instituição hospitalar, diferentemente da fonoaudiologia Ambulatorial;
  • Participar de prevenção e do controle de infecções hospitalares;
  • Estimular e agilizar a alta hospitalar clínica com os menores danos possíveis ao paciente, minimizando inclusive os custos da internação.

07.04.2015_BL01

Áreas de inserção do Fonoaudiólogo em hospitais:

  • Emergência;
  • UTI (unidade de tratamento intensivo);
  • Complexos Neonatais;
  • Maternidades;
  • Enfermarias de Pediatria (desenvolvimento normal e patológico, incentivo ao aleitamento materno);
  • Neuropediatria (traumatismo crânio encefálico, hidrocefalias, doenças congênitas, etc.);
  • Clínica Médica (acidente vascular encefálico isquêmico, artrites, HIV+);
  • Cardiologia (insuficiência cardíaca congestiva, cardiopatias);
  • Neurocirurgia (traumatismo crânio encefálico, tumores, AVE hemorrágico);
  • Ortopedia;
  • Cirurgia vascular;
  • CTI, UI, Unidade Poli Traumatizados (UPI);
  • Unidade Coronariana (UNICOR);
  • Unidade de Queimados (CTQ);
  • Espaços Terapêuticos para HIV+;
  • Clínica de Apoio ao Idoso.

O objetivo da atuação vai variar de acordo com a patologia, características e condições de cada paciente, além de que, a avaliação Fonoaudiológica é realizada no leito a partir da solicitação médica, em concordância com o médico responsável.

Portanto, o trabalho do Fonoaudiólogo Hospitalar é de suma importância, possibilita a restruturação de uma vida e de uma família.

Referências e Imagens:
http://www.saude.go.gov.br/
http://www.cefac.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *